terça-feira, 27 de setembro de 2016

Atividade EJA Etapa 09

Fazer o resumo sobre Concordância Nominal.
Bom trabalho.









segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

No mundo da educação - 1

Interessante matéria publicada no portal UOL, uma realidade que está presente em nossa sala de aula. Precismos fazer algo para mudar essa realidade!

No Brasil, apenas 8% têm plenas condições de compreender e se expressar


domingo, 7 de fevereiro de 2016

Encontro com autor de "Armandinho"

Há muito tempo sou fã das tiras de "Armandinho". Conheci ele através do facebook e tornei-me seguidor, após continuei acompanhando  nos jornais Zero Hora e Diário de Santa Maria.
As tira me conquistaram, pois apresentam um menino sempre com uma visão otimista do mundo e das pessoas, imerso em aventuras que nos remetem a infância. Constantemente questionando o mundo, fazendo uso dos "porquês" para uma reflexão das nossas atitudes, das relações, etc. Abordando questões politicas e sociais, mas de forma alegre e inteligente. Acabei utilizando-as em várias questões de sala de aula e em trabalhos avaliativos,
Sábado tive o prazer de encontrar o criador do personagem "Armandinho", Alexandre Beck,  que estava autografando suas obras no Shopping Royal, em Santa Maria. Não pude perder e oportunidade de conversar com autor  e comprar alguns livros para que fossem autografados por ele.


domingo, 18 de outubro de 2015

A língua desrespeitada

Interessante artigo de Claudia Tajes, publicado no jornal Zero Hora do dia 18.10.2015, uma reflexão sobre a nossa maltratada língua.
Boa leitura...
Clique no artigo:   A língua desrespeitada

domingo, 21 de junho de 2015

Dúvidas Acordo Ortográfico

Muitas dúvidas, ainda, sobre o Novo Acordo Ortográfico. Abaixo, um texto que esclarece muito e mostra que as mudanças alteram somente  0,5% do léxico, conjunto das palavras de que dispõe um idioma, do português do Brasil.

Acordo Ortográfico: entre querelas e mal-entendidos

POR THAÍS NICOLETI
Desde  o último dia 13 de maio, o Acordo Ortográfico está oficialmente em vigor em Portugal, apesar de alguma controvérsia; no Brasil, embora esteja em uso desde 2009, quando a imprensa o adotou sem restrições, a data da entrada oficial em vigor foi adiada para 2016, sob o pretexto de ampliar as discussões, dando voz a algumas pessoas que não tinham participado das tratativas até então. Os autores do litígio eram liderados pelo professor que propunha a abolição definitiva da letra “h”, a supressão do dígrafo “ch”, que seria substituído pelo “x”, e outras  modificações baseadas apenas na fonética. Tal proposta, ao que tudo indica, não teve acolhida.
Ainda assim, o referido professor criou o Centro de Estudos Linguísticos da Língua Portuguesa, do qual se fez presidente, tendo chamado para vice o seu colega de GTT (grupo técnico de trabalho) do Senado, que, advogado, é membro da seção goiana da OAB. O tal centro, segundo seu fundador, milita “em defesa da democratização da língua portuguesa”. Em outras palavras, o presidente e o vice-presidente desse instituto são os responsáveis pelo adiamento da entrada em vigor no Brasil do Acordo, que, na opinião deles, deixou a desejar.
Embora se digam unidos na “defesa da língua portuguesa”, presidente e vice defendem ideias muito diferentes entre si. O presidente queria fazer uma mudança radical no sistema ortográfico, já o vice se contenta em estabelecer uma cota de palavras, que ficariam imunes às mudanças propostas pelo Acordo. Mais curioso é que um queria abolir o “h” de uma vez por todas, mas o outro mostra grande apreço pelo mesmo “h”, tanto que não aceita a supressão dessa letra em duas palavras da língua (coerdeiro e coerdar).